“Cinco meses atrás eu cheguei ao Brasil para conhecer o país e fazer um trabalho voluntário no Acaia Pantanal. Trabalhando no Ateliê Acaia em São Paulo eu percebi as diferenças entre a Alemanha e o Brasil. Mas quando eu fui para o Pantanal eu entrei em um outro mundo. Tantas diferenças dos meus costumes! O calor, os mosquitos, o Rio Paraguai no lugar das estradas, casas diferentes e tradições desconhecidas para mim.

Mas este choque ambiental e cultural virou o melhor intercâmbio da minha vida. Houve momento que enquanto os alunos (e eu muito mais) aprendiam o hino nacional brasileiro, eu cantei o hino nacional alemão para as crianças. Aprendendo como as casas ribeirinhas são feitas, expliquei a importância de aquecedores e janelas de vidro nas casas alemãs. Eu ensinei inglês e umas palavras em alemão para os alunos e aprendi algumas partes da língua dos Guatós com o funcionário Pedro. Uma experiência especial para mim foi a minha pesquisa sobre a viola-de-cocho, um instrumento musical e artesanal do Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. Através dos cantos de Cururu e Siriri eu entendi a vida pantaneira melhor.

Os ribeirinhos vão fazer falta para mim: os cururueiros, os professores e funcionários da escola, e especialmente os alunos. Eu estou voltando para Alemanha, mas as pessoas e lembranças do Brasil vão ficar no meu coração.”

Antonia